Arquivo da categoria: Dubai

Aprendendo a se maquiar com a Emirates

Antes tarde do que nunca para o post prometido sobre o dia em que tive aula de grooming durante meu treinamento da Emirates. E antes tarde do que nunca pra ressucitar esse blog abandonado. Shame on me!

O grooming day é um dia de treinamento onde aprendemos os tipos de cabelos que podemos e não podemos usar, como manter hábitos saudáveis e a saúde em dia, a se maquiar e fazer as unhas. Pra mim não teve novidade nenhuma, foi o básico do básico. Mas tinha bastante menina que não sabia nem como limpar a pele ou usar base direito. Pros meninos teve bastante coisa nova, vários processos para se barbear e o mais engraçado de todos, eles tiveram que fazer as próprias unhas!

Foi tudo bem rapidinho, até porque na nossa vida real de comissário não sobra muito tempo pra fazer essas coisas. As minhas unhas ficam só na base por um bom tempo até eu arranjar tempo/paciência pra fazer ou ir ao salão. Maquiagem e cabelo me tomam uns 20 minutos, tento fazer rapidinho pra sobrar mais tempo pra dormir!

Na aula de maquiagem usamos os produtos da marca francesa Clarins. Achei a base ótima, deixa a pele um veludo de tão macia e dura bastante. Vai ser meu próximo investimento! Até os meninos usaram os produtos de barbear da Clarins. Limpar a pele, tonificar, passar óleo antes de barbear, creme para barbear, loção pós barba. Nem lembro mais todo o processo! Para as unhas usamos os produtos Jessicauma marca americana que eu não conhecia. Essa marca tem bastante variedade de bases para vários problemas de unhas. Eu comprei uma que trata descamação. A base até que dá um trato bom nas unhas, mas se uso só ela, em uns 2 dias já não tem mais nada nas unhas, ela sai toda. As que eu tenho da Sally Hansen duram dias até precisar retocar a camada. O esmalte que usei na aula já estava pastoso de tanto usarem, então não sei dizer se ele é bom ou não. Mas pelo que ouvi dizer dura bem. Usamos um creminho para empurrar as cutículas que era mara, suuuper hidratante e emoliente. Esse tá na minha listinha de compras. Eu tentei pintar as unhas do jeito gringo, sem limpar com palitinho depois, mas ficou um verdadeiro desastre.

Esses são os produtos da Jessica:

 

Pra não deixar o blog semanas sem mais um post já agendei um próximo pra essa semana! Andei descobrindo umas lojas de cosméticos coreanos que me enlouqueceram. Aguardem!

 

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Dubai

Esmalte de gel e a promessa de durar 2 a 3 semanas

No meu último post comentei que fui fazer as unhas e pintei com o tal de esmalte de gel. Esse esmalte promete durar de 2 a 3 semanas e o processo de aplicação é diferente. Primeiro a manicure passa uma base e coloca a unha para secar naquela estufinha de raios UV. Depois passa uma camada de esmalte, estufinha novamente, outra camada de esmalte e estufinha e um top coat específico pra finalizar. Me falaram que o esmalte dura umas duas semanas mesmo, mas que a unha começa a crescer e fica aparecendo a raíz. Sabendo disso, pedi pra manicure passar bem rente à raíz. Acho que ela quis me matar, pois aqui elas são acostumadas a deixar um pouco do branquinho da unha aparecendo e ela sofreu pra passar bem rente. E aqui elas não fazem aquela meleca toda pra depois limpar com o palitinho, passam com todo capricho e coordenação pra ficar perfeitinho já na aplicação.

Como esse esmalte é diferente, a variedade de cores não é tão grande. Mas como minha opção de cores é vermelha ou clarinha/francesinha, optei pelo vermelho.

Esses são os esmaltes, a marca é Harmony.

Esse foi o resultado das unhas já prontas. O esmalte fica mais brilhoso do que os normais e dá pra sentir que a camada é levemente mais grossa também.

Primeiro dia

Na primeira semana o esmalte ficou intacto. Achei uma maravilha, ainda mais no trabalho de comissária onde uso as mãos o tempo todo e lascar uma unha é coisa rotineira. Fiquei impressionada que o esmalte não lascou, não descascou ou descamou. Várias vezes dei uma topada que jurava que ia dar umas lascadinha, mas lá estava minha unha, vermelha, firme e forte.

Exatamente uma semana depois o esmalte ainda continuava inteiro e com brilho. Não tanto como nos primeiros dias, mas não desbotou como acontece com esmaltes normais. O único problema é que a raíz das unhas começou a aparecer, mas só o fato de estar intacto durante 7 dias já me deixou feliz.

Uma semana depois

Depois da primeira semana fiquei só esperando se ia aguentar mais uma ou duas, mas em 3 dias já estava descascando, cutículas ressecadas, raíz aparecendo muito. Ou seja, hora de remover. A manicure tinha recomendado retirar o esmalte no salão, ou então com algodão e acetona em casa, deixando de molho. Mas o esmalte estava tão seco que não precisei fazer nada disso, tirei ele sem acetona, descascando como se fosse um adesivo. Achei que fosse estragar um pouco a unha, mas não. Elas estavam um pouco ressecadas, mas não ficaram mais frágeis, pelo contrário, estavam compridas e fortes, pois não quebraram nem lascaram nos 10 dias em que fiquei com o esmalte.

Esse foi o último suspiro das unhas com esmalte de gel.

Décimo dia

Eu gostei da experiência, mas pelo preço não faria com tanta frequência. Aqui em Dubai sai em torno de R$60,00. Se realmente durasse 2 ou 3 semanas valeria mais a pena. E mesmo se durasse, a unha começa a ficar feia com a raíz aparecendo. Até da pra retocar com outro esmalte normal por cima, mas acho que deve ficar uma camada meio grossa de mais. Bom seria se todos os esmaltes durassem assim, né?

2 Comentários

Arquivado em Dubai, Esmaltes

2012 já começou nas alturas

Depois de um período de abandono, estou de volta!

Um feliz ano novo a todos e que 2012 venha com muitas peruíces pelo mundo!

Essas últimas semanas foram bem corridas, terminei meu treinamento e já comecei a voar. E nas horas vagas tinha que praticar minhas atividades sociais. Por isso a ausência aqui. Agora tive dois dias de folga e finalmente pude organizar e deixar minhas coisas em dia. Hoje mesmo já aproveitei para ir ao shopping fazer umas comprinhas e as unhas. Resolvi experimentar a tal do esmalte gellish que diz durar até 3 semanas. E torreir alguns belos Dirhans numa base da Chanel e um blush e pó da Illamasqua. Comecei 2012 realizando dois sonhos de consumo e deixando aqui a promessa de pelo menos 3 posts sobre as unhas e os produtos novos.

Pra falar a verdade, não sei nem por onde começar! Estou devendo o post do dia de grooming, onde tivemos aula de maquiagem e até os meninos aprenderam a fazer as unhas. Mas tem gente que deve estar curiosa pra saber das novidades daqui também. Então vamos deixar as peruíces para depois.

Falando em trabalho, tive apenas 4 vôos até agora. Os dois primeiros foram o que eles chamam de suppy flight, onde nós novatos temos a chance de ir no cockpit para pouso e decolagem. Foi sensacional! Jamais imaginei que sentaria na cabine do piloto e teria aquela visão incrível da pista e da cidade. Vi Dubai de dia e de noite, lá de cima, em meio às estrelas. Vi também Karachi (Paquistão) pela manhã e Kochi (Índia) pela noite. Meu vôos seguintes foram Bangalore (Índia) e Beirute (Líbano). Todos esses vôos foram turnarounds, aqueles bate e volta. Nem descemos do avião. Nesse mês de janeiro tenho mais uns 4 turnarounds até finalmente chegar os meus layovers, onde passamos pelo menos uma noite na cidade. Vou ter layovers em Newcastle (UK), Casablanca (Marrocos), Jakarta (Indonésia) e Lagos (Nigéria).

A minha escala desse mês não foi das melhores. Dou risada pra não chorar do tanto de vôo pra Índia que eu peguei – e todos são turnarounds. Todo mundo fala que são os piores vôos, mas pra falar a verdade não achei tão ruim assim. Eu estava esperando o inferno no céu, pessoas jogando comida e fazendo necessidades no chão. Mas pelo contrário, até agora achei eles simpáticos e fico rindo por dentro quando eles balançam a cabeça quando você pergunta alguma coisa. Nunca sei quando é sim ou não. Fico só observando as mulheres com os trajes típicos, cabelos longos e tatuagens de hena nas mãos. Já no vôo para Beirute as mulheres eram todas bonitas, bem vestidas e com os olhos marcantes. Todas tinham a sobrancelha bem feita e marcada, naturalmente escura ou reforçada com hena. Já os libaneses têm fama de serem paqueradores e todo vôo alguma comissária recebe pelo menos um cartão de visitas. Dois pediram pra tirar foto comigo e um outro libanês fez amizade com uma outra comissária que recebeu o cartão de visitas e depois estava oferecendo para as meninas, pois ela tinha namorado. Nesse mesmo vôo já fiz o que eu tinha certeza que uma hora ou outra iria fazer. Derramei suco de laranja no casaco de um passageiro. Mas não foi nada de mais, pedi desculpas e ele nem reclamou.

Bom, post rápido pois tenho que descansar pra acordar às 4 da manhã pra meu vôo pro Kuwait, pelo menos esse é rápido e meio dia já estou em casa. Deixo vocês com algumas fotos do cockpit.

9 Comentários

Arquivado em Dubai

Unhas Roxas e Amarelas

Num desses finais de semana encontrei uma colega na praia. Ela é Sul Africana, alta, magra, ex modelo e sempre estilosa. A primeira coisa que reparei foi nas unhas, amarelas e roxas. Achei que super combinou com ela, mas não sei se teria coragem de sair com unhas multicoloridas. Nem as pastéis eu fiz ainda.

3 Comentários

Arquivado em Dubai, Unhas

Em Dubai o cabelo cai

Dubai realmente é uma cidade pra gente endinheirada. Se você quiser manter sua cabeleira saudável o ideal é lavá-la com água mineral. Dubai, afinal de contas, é um deserto que virou cidade e no deserto não temos água. A solução foi trazer água do mar e passar por um processo para retirar o sal. É essa água horrorosa que tem lavado meus cabelos e desde a primeira semana aqui eles começaram a cair assustadoramente e fios brancos começaram a nascer. A cada banho eu quase chorava ao ver o chumaço de cabelo que caía. Todo mundo enfreta esse problema quando muda pra cá e a culpa realmente é da água. Com isso busquei várias alternativas pra queda de cabelo. Estou tomando vitaminas, usando shampoo específico pra esse tipo de água e óleo de coco. Agora só falta comprar um filtro para o chuveiro.

Óleo de Coco

Anota essa dica aí: Óleo de Coco faz milagres. Muito comuns entre as indianas e pra esses lados das arábias esse óleo nutre e fortalece a estrutura dos fios, ajudando a combater queda de cabelo e até caspa. Ganhei de uma amiga e é bem fácil (e barato) de achar por aqui, seja o óleo puro ou como ingrediente na fórmula de shampoos e cremes. Eu usei ele durante uma semana, aplicando direto na raiz. Sim sim, é óleo e apesar de na embalagem dizer que não é grudento, é sim. Meu cabelo ficou completamente oleoso depois de aplicar. Pelo menos o cheiro é gostosinho, tipo de coco queimado. Deixo agir durante uns 30 minutos e vou pro banho. Lavo 2 ou 3 vezes pra sair todo a oleosidade e o resultado depois de secar me surpreendeu. Abaixou o frizz e deixou o cabelo super brilhante e macio, não ficou oleoso nem seboso nem com resíduos. Depois de uma semana de uso a queda de cabelo diminuiu bastante. Ponto pro óleo de coco! Não sei se é fácil de achar no Brasil, mas já li por aí que dá pra usar o óleo extra virgem de coco, que é vendido como produto pra culinária. Será o Óleo de Coco o próximo Moroccan Oil?

 

Óleo de coco, shampoo e vitaminas

Shampoo e Vitaminas

Besuntar a raíz do cabelo com óleo todos os dia não é lá muito prático. Por isso acabei gastando vários Dirhans na farmácia com um shampoo anti-sal indicado justamente pra combater os efeitos da água desalinada (um dos ingredientes do shampoo é o óleo de coco). Deixei o óleo de lado pra usar o shampoo e comparar o resultado individual de cada um. O shampoo é fácil de usar, obviamente, mas em questão de diminuir a queda de cabelo, o óleo sai ganhando.

Uma amiga me recomendou tomar Priorin, um comlexo de vitaminas para cabelos e unhas. O resultado do Priorin acho que verei depois de um tempo, já que ele faz crescer mais cabelo. O bom é que já resolveu outro problema que estava tendo aqui, que eram unhas fracas. Depois que comecei a tomar o Priorin, minha vida mudou. Minhas unhas ficaram fortes e saudáveis (coloca uma voz Polishop nessa frase! Haha). Acredito que para os cabelos também vai dar uma bela de uma força.

Agora já sabe…se planeja vir a Dubai e ficar mais de uma semana, já se prepare pra uma grande queda de cabelo. Ou faça como as ricas e tome banho de água mineral!

8 Comentários

Arquivado em Cabelos, Dubai

Dubai Mall – o maior do mundo

Chega de falar de treinamento, e vamos às peruíces. Tem tanta coisa que quero postar aqui, mas me falta tempo. Tem vezes que me sinto uma turista declarada andando no shopping com minha câmera pendurada no pescoço e tirando foto de um monte de coisa que muita gente não vê sentindo algum em fotografar. E já paguei mico pedindo pra tirar foto dos cílios e unha das meninas. Vou ter que tirar um dia inteiro só pra organizar todos esses posts. Hoje fui fazer minhas unhas num Nail Spa aqui e tirei foto de um painel com esmaltes que tinha lá e a mulher até perguntou se eu tava querendo abrir um salão. Haha! Finalmente vou poder fazer um post com esmalte do dia, pois desde que cheguei aqui minha unha estava um horror.

Pra começar com posts peruíces, nada mais adequado do que falar do maior templo de peruagem do mundo: Dubai Mall. São mais de 1.200 lojas, entre elas a maior loja de doces do mundo, a Candylicious, o maior aquário, e obviamente, o Dubai Mall é o maior shopping do mundo. E realmente o lugar é gigantesco. Na primeira vez que fui fiquei deslumbrada, na segunda irritada. Ele é tão grande, mas tão grande, que cansa. Pra ir de um lugar a outro você faz uma bela de uma caminhada. Pra conhecer o shopping inteiro é gasto certo de muitas calorias e Dirhans (moeda local).

Eu ainda não conheci ele todo. O interessante é que as lojas são agrupadas por categoria. Lojas de eletrônicos, grifes de luxo, infantil, jóias, casual, etc. Pelo menos facilita quando você vai pra lá sabendo o que quer. Eu ainda nem cheguei a ver os corredores de beleza, só passei pela Sephora. Quando for vou fazer a turista, tirar muitas fotos e dedicar um post só pra isso. Na minha primeira visita ao Dubai Mall, coincidentemente entrei logo nos corredores de luxo e fiquei boquiaberta. Vitrines de grifes que só ouvi falar em desfiles e revistas.  Chanel, Dior, Prada, Missoni, Mulberry, Marc Jacobs, Gucci, Louis Vuitton, Jimmy Choo, Manolo Blahnik e mais outras lojas que gritam RIQUEZA, uma do lado da outra. Pior é quando você vê umas mulheres passando com umas duas sacolas da Chanel, mais algumas da Louis Vuitton gritando INVEJA na sua cara. Aí você corre pra Zara ou Topshop pra não ir pra casa triste! Em todo canto há sempre um café ou chocolateria, algum cantinho gostoso pra sentar e descansar. No Café Armani tava cheio de homem com o traje branco típico. Seriam Sheikes tomando um café enquanto as esposas torram o cartão? Rs

No dia que eu fui os corredores de luxo estavam todos decorados com esses origamis brancos que vinham lá do teto. Simplesmente lindo!

Fiquei também impressionada com o setor infantil. Suri Cruise ia ficar animada de encontrar todas essas lojas pra comprar seus vestidinhos. Cacharel, D&G, Armani, Burberry, Dior… tudo pra uma infância fashionista.

Ainda não visitei o tal do Aquário, mas dá pra ver um pouco por fora.  É lindo! Ele fica em frente à loja de doces Candylicious, de onde vem esses reflexos coloridos na foto. E ainda flagrei duas muçulmanas que apareceram sem querer, olhando meio desconfiadas pra lente. Todas sempre bem arrumadas e maquiadas.Lojas de Chocolateria parece ser comum por aqui. Vi várias já, uma mais fofa e deliciosa que a outra. Vitrines sempre com muito ouro!

Falando em ouro, se quiser comprar jóias num local charmoso, recriando os famosos mercados árabes, é só dar um pulinho no The Gold Souk.

E pra encerrar o dia no Dubai Mall, tem um show de águas a cada 30 minutos que acontece num pátio de frente para o imponente Burj Kalifa. Como tudo nesse shopping é superlativo, The Dubai Fountain é a maior fonte dançante do mundo! Um espetáculo de água, música árabe e luzes que pode ser visto até do espaço.

Se algum dia vier a Dubai, é um passeio obrigatório e venha com muita disposição e dinheiro.

6 Comentários

Arquivado em Dubai

O começo do treinamento

E o tempo voa aqui em Dubai e não vejo a hora de eu começar a voar também. O meu treinamento já começou, e quem achava que ser comissária is all about chicken or beef, coffee or tea está bem enganado. O treinamento que estou tendo agora é de Segurança e Emergência e o manual é maior que uma Bíblia. E eu tenho que memorizar todos os termos, todos os milhões de vocabulários novos, em inglês e diversos procedimentos que espero nunca ter que fazer. Evacuação de emergência, pouso na água, despressurização, turbulência e outras emergências que nem sei qual o termo em português. A parte prática do treinamento é feita em simuladores da própria Emirates e eles são super orgulhosos (pois custam uma fortuna) e adoram esfregar na cara da concorrência que vem até aqui pra fazer treinamento.

A primeira impressão que tive é que estava em algum brinquedo da Disney! O avião sacode, simula decolagem e pouso, incêndio, explosão, despressurização e turbulências. E pra abrir e fechar a porta? Afff… quanta terminologia nova, quanto detalhe e ordem das coisas pra seguir (mas depois de estudar e reproduzir diversas vezes acaba ficando fácil). Nessas horas me sinto numa aula de teatro, pois tem que fazer uma encenaçãozinha básica de emergência. A parte mais legal foi fazer o ditching, que é pouso na água. Fiquei com um medinho e imaginando as piores tragédias possíveis caso isso realmente acontecesse e me sentindo num episódio de Lost. Mas foi tranquilo e sem desespero, afinal temos que aprender o que fazer, então foi tudo no passo a passo. No final entramos na piscina pra depois subir no bote. .

Hoje tive minha primeira prova, estudei durante horas no sábado e no final das contas estava super fácil. E terça já tem outra, e quinta mais uma. Tem horas que acho que não vai ter mais espaço pra armazenar tanta informação na minha cabeça. Eu não imaginava que existia tanta responsabilidade e procedimentos envolvendo essa profissão. Por isso, na próxima vez que você embarcar num avião, be nice. Se alguma coisa acontecer, é o comissário que vai salvar sua vida. Além disso, ele também é responsável por toda segurança antes de você embarcar. Você não tem idéia do tanto de coisas que temos que verificar e saber usar pra garantir que durante um voo normal ou em uma emergência tudo funcione adequadamente. Sem falar que tem diferentes tipos de aviões, com diferentes procedimentos. Por enquanto parece que todo voo vai ser uma emergência, pois é só isso que vimos! Dá uma olhada no manual que temos que estudar e saber word by word (palavra por palavra).

Com tudo isso, Dubai não está mais tão poética. Quase não vejo mais o nascer do sol, pois estou sempre dormindo no ônibus no caminho do Training College. A volta também é um ótimo momento pra cochilar. Hoje mesmo um colega comentou que parecíamos mineiros voltando do trabalho, todos de uniforme, cansados e indo pra casa no meio do deserto.

O uniforme de treinamento é uma polo vermelha, mas já temos que andar todas maquiadas, cabelo preso, unhas claras ou vermelhas (aliás, faz mais de uma semana que só uso base nas unhas, de tão sem tempo pra fazê-las). As meninas ficam até meio parecidas, todas bonitonas e impecáveis. Nos primeiros dias era difícil reconhecer quem era quem de cara lavada e sem uniforme. Pra não dizer que não falei de beleza, dá uma olhada no que é o Emirates look. Batom vermelho, cabelo preso com coque, redinha e um frufru que eu acho péssimo, parece acessório de faxineira. Na foto estou sem redinha, mas olha só o volume do coque!!

 

Realizei meu sonho de ter um hair donut, pra fazer esse coque gordinho e redondinho. Hoje a moça do café até me perguntou qual o segredo pro nosso cabelo ficar tão arrumadinho e cheio. Hair donut! E é ridiculamente fácil de usar.

Bom, agora vou lá estudar. Mal posso esperar pra chegar a aula de grooming, onde aprendemos maquiagem, unha e cabelo, e vir contar todas as dicas aqui!

13 Comentários

Arquivado em Dubai

Primeira semana em Dubai

Depois do choque inicial de vir parar no meio do deserto de Dubai, já estou começando a me acostumar. O estranhamento das coisas não é mais tão grande, já comprei uma eco bag pra ir ao Carrefour e não sofrer tanto quanto na primeira vez, e até já me acostumei com as coisas escritas em árabe e as mulheres de burca no shopping. Comprei outro secador, depois de perder o primeiro que comprei. Mas a desastrada aqui conseguiu derrubar o novo no chão e fazer uma rachadura naquela parte removível de trás. E além do secador, no primeiro dia também perdi o cartão de acesso ao prédio e já vão descontar 150 dinheiros do meu salário. E já quase perdi meu blazer 2 vezes, esquecendo ele em algum lugar. Pois é, choque cultural mexe com a nossa memória também!

Queria poder escrever mais aqui, mas tá difícil achar tempo e a partir da semana que vem, quando o treinamento começar, será ainda mais complicado. Essa vida de dona de casa trabalhadora não é fácil! Lavar e passar roupa, cozinhar, lavar a louça, ir ao mercado, se exercitar e ainda ter uma vida social.

Bom, resumindo essa última semana. Tenho acordado todos os dias às 5 da manhã, ainda noite. Pego o ônibus até o headquarters da Emirates e no caminho vejo o nascer do sol mais incrível que já vi na vida. Fico ouvindo meu ipod e admirando o espetáculo da janela empoeirada do ônibus. Do lado direito o sol nasce redondo e amarelo como uma gema de ovo gigante, do lado esquerdo os prédios refletem o amanhecer nas janelas espelhadas. Nesse momento esqueço que estou morando num lugar isolado de tudo e todos e que acordo de madrugada todos os dias. Essa primeira semana na Emirates foi uma Induction Week, onde tivemos diversas palestras sobre tudo que envolve nossa nova vida aqui e outros procedimentos chatinhos de RH. Toda semana chegam novas pessoas aqui, e cada vez em maior número. Uma turma normal era de 60 a 70 pessoas. O meu grupo é de 96 e o que chegou essa semana, 98. Talvez seja a hora da Emirates parar de comprar avião e comprar mais ônibus pro nosso transporte! Nunca tem ônibus suficiente.

Todos os new joiners estão sendo mandados pra esse meu condomínio de prédios, o Sarab. Os apartamentos são ótimos e novos, tem piscina e academia nos prédios, mas o grande problema é a localização dele. Não existe absolutamente nada em volta. Nem taxi sabe como chegar aqui. Tudo em Dubai já foi assim um dia, um empreendimento que começa no meio do nada e em poucos anos vira uma região super valorizada. Esse é o plano deles, mas pra daqui DEZ ANOS. Hahaha! Todo mundo deu risada quando falaram isso. O projeto é transformar essa nossa região em uma Las Vegas (sem os Cassinos, é claro). A Emirates tem tentado trazer o pessoal lá do centro pra cá, mas ninguém quer vir, mesmo oferecendo um apartamento individual. Quando começaram a construir aqui era pra vir Carrefour, shopping, salão de beleza, etc. Mas com a crise econômica todo mundo desistiu e só ficou o Sarab e a gente aqui no meio do deserto. Dá só uma olhada, pra você entender o que é o meio do nada:

Até que é interessante fazer parte do início de uma região que daqui alguns anos vai ser um ponto turístico, ver algo nascer e crescer. Mas é mais interessante fazer parte da Dubai que tanto ouvimos falar. Da arquitetura super moderna, dos shoppings gigantescos, da praia, das boates. Ainda fico olhando deslumbrada pela janela do carro o tamanho dos edifícios, suntuosos e imponentes, que mais parecem irreais, um painel gigante colocado no céu. O Burj Al Khalifa é definitivamente o mais impressionante de todos. É o prédio mais alto do mundo, com 828 metros de altura. Os prédios em volta dele parecem pequenos. Vi o Khalifa de pertinho no pátio do Dubai Mall (adivinha só… o maior shopping do mundo!) e dá pra subir nele também, mas ainda não fui. O Dubai Mall também é uma coisa de outro mundo, nunca vi nada igual. Gigantesco, os corredores parecem uma fashion week de tanta grife de luxo.

O Khalifa é esse da esquerda, um pedaço dele.

Ai, tem tanta coisa mais pra contar, mas o post tá ficando longo já. Dubai está me surpreendendo a cada dia. Hoje fui à praia e foi uma delícia. O sol como sempre fez seu espetáculo no final da tarde. A praia inteira parou pra assistir. Deu até vontade de aplaudir no final. O clima nessa época do ano é maravilhoso, um calor suportável. É “inverno” agora, então está bem agradável. Dizem que fica assim até Abril/Maio, depois vem aquele calor de 50 graus. Não quero nem ver. O clima aqui é o sonho de todo Curitibano. Sol todos os dias, nunca precisa se preocupar com chuva ou mudanças de temperatura no meio do dia e nem com rinite. Perfeito, estou amando!

15 Comentários

Arquivado em Dubai

Primeiras aventuras em Dubai

Já escrevo aqui das Arábias, exausta por causa do fuso (6 horas de diferença), do voo de 15 horas (que apesar de longo foi tranquilo, pois vim sozinha em três poltronas) e de tanta nova informação que tento que absorver a cada segundo – isso que o treinamento nem começou. Só o fato de estar vendo tudo em árabe, tudo diferente, pessoas diferentes, produtos nas prateleiras do mercado diferentes já é o suficiente pra deixar qualquer um confuso, sem saber pra onde olhar. E é bem assim que estou! Desde que pisei no aeroporto as pessoas de burca me davam a sensação de estar em algum cenário da Globo, no Clone ou Caminho das Índias. Sério, dava vontade de rir cada vez que eu olhava alguém andando com aquelas roupas como se fosse a coisa mais normal do mundo (o que de fato é, pra nós é que não!) Hoje no shopping vi tanta gente assim que estou quase me acostumando.

Engana-se quem acha que minha ida ao shopping foi pra fazer compras ou passear. Foi pra ir ao mercado, no Carrefour. E foi a ida ao mercado mais terrível e traumática da minha vida! Pra chegar até lá peguei o transporte da Emirates que sai do meu condomínio de prédios no meio do deserto (tópico pra outro assunto), leva até o Headquarters onde peguei um metro super hiper mega moderno e limpo (e onde não pode-se mascar chicletes, comer nem beber nada dentro) até o Carrefour. Ok, ida tranquila. Mas e a volta com as compras?? Quase rasguei meus dedos segurando 6 sacolas e mais um litro de água pra fazer todo o caminho de volta: metro, headquarters, condomínio. Paguei todos os harans que já cometi na vida mas sobrevivi. Só que ao chegar no quarto cadê o secador de cabelos que eu tinha comprado?? Esqueci no ônibus. Chorei de tanta raiva e de me dar por conta que estou no meio do nada (literalmente – no final coloco uma foto da visão da minha janela), ninguém em casa pra me consolar, ninguém pra me emprestar um secador pra amanhã e ainda por cima por ter ficado um tempão tentando decidir se eu comprava um secador baratinho ou um mais caro e melhor. E eu optei pelo melhor.  Já liguei pra ver se alguém achou e até agora nada, vamos torcer pra que amanhã apareça.

O que me consola é que não estou sozinha nesse barco. Fui no mercado junto com uma paraguaia, um paraguaio e dois argentinos e sofremos juntos pra trazer as compras. A toda hora está chegando gente nova aqui, é impressionante. A Emirates pelo jeito quer dominar o mundo com seus aviões! E todos esses novatos como eu ficam com o mesmo olhar perdido, deslumbrado, confuso, tentando entender o lugar, o que diabos a gente veio fazer nesse meio do nada e o que Alah nos guarda pra essa experiência que promete ser – e será – incrível.

Tirei algumas fotos da minha primeira experiência no comérico árabe e, claro, dos corredores de beleza do Carrefour e algumas lojas do shopping. Olha, o mercado está de parabéns. Tinha quiosques de várias marcas, tipo Maybelline, Rimmel, Revlon, Maxfactor com o display super completo e atendente pra te ajudar. Não resisti e comprei o novo batom da Rimmel, aquele da Kate Moss.

E depois de todas essas aventuras e de desarrumar todas as minhas malas tudo que eu queria era uma cervejinha geladinha pra relaxar e tomar um banho e deixar meu cabelo pronto pra amanhã cedo (vou acordar às 5:00am). Mas, por causa do islamismo é proibido vender bebidas alcoólicas (a não ser em restaurantes) e eu não tenho secador!  Ri, pode rir da minha cara porque até eu to rindo! Então minha gente, por isso vim aqui escrever, pois é o que me relaxa e é pra quem eu tenho pra contar esse cansativo e longo primeiro dia em Dubai.

Essa é a vista da minha janela. Dizem que às vezes passa uns camelos por ali. Ainda não vi nenhum. Láááá longe é Dubai de verdade. Aqui é um projeto no meio do nada ainda.

As prateleiras do Carrefour:

E os corredores de beleza:

23 Comentários

Arquivado em Dubai